skip to Main Content

As mulheres na história de Gramado

                                 

Em matéria de discriminação histórica de gênero, Gramado oferece um suave contraste em relação às cidades atreladas à brutalidade de seus feitos. O papel desempenhado pela intuição e pelas obras estabelecidas aqui decorrentes de iniciativas femininas, não têm passado despercebido ao largo do brilho que Gramado alcançou.

Interessante, para começar, que nenhuma delas foi baluarte da construção política do município – e não que o contrário lhes teria sujado as mãos. Elas foram a parte subterrânea do pilar que humanizou, estimulou e desafiou os trabalhadores que deram forma às nossas melhores criações desde o começo.

Quando o dr. Carlos Neltz, junto com a medicina, propôs para Gramado um retrato futuro ambiental, quem segurou a moldura foi sua esposa Therésia. Isso marcou o começo de uma visão sustentável e original para o turismo, diferente do então praticado em toda parte. As décadas foram desfilando gloriosamente e alcançaram brilho internacional, por criações contemporâneas tipo Gamado in Concert e Festuris, afilhadas de Rosa Helena Volk e Marta Rossi. E entre esses dois tempos   Irma Peccin encheu Gramado de flores.

Esses poucos nomes, servem apenas de símbolos das que carregaram nossas glórias à sombra do anonimato. Não há lugar onde se veja alguma criação gramadense de destaque sem que esteja junto a figura criativa de uma mulher – parece que aqui elas trocam a timidez pela competência, com resultados que botam os homens a correrem na sua vola.

Nelas, o estresse executivo resultante nunca fez economia de graça nem do consumo de produtos de beleza. E quando reviramos com um pouco mais de franqueza aquilo que habita a parte mais profunda de nossas frivolidades espirituais, concluímos que sem elas Gramado não seria a maior pequena cidade do Brasil, seria uma droga.

Devo destacar, por incansável razão de afeto, aquela a quem minhas humildes inspirações definiram assim: “Em todo o transcurso da humanidade existiram duas pessoas perfeitas, um homem e uma mulher. O homem foi Jesus Cristo e a mulher foi minha mãe”. Uma gramadense linda e sorridente.

Essa matéria tem 0 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top