Apesar da sujeira que desperfuma a moralidade político-administrativa do país, dizer que a busca por cargos públicos serve apenas para atender ambições desonestas, é inverdade decorrente de sossegada generalização, ou da ideia de que todos os homens públicos são iguais às matilhas que, em Brasília, disputam o dourado osso do poder central de nosso país . É que os maus se organizam em seletas quadrilhas, enquanto a maioria dos bons se aproveita das comodidades da omissão. Mas, o político bem-sucedido sempre é eficiente construtor de castelos de palavras ou de promessas e, no fundo, está movido pela vaidade de ser estrela da mídia ou heroico benfeitor do povo.

Os sociólogos e os psicanalistas, se deliciam com o contraditório tratamento que os homens públicos dão ao rancor: honestamente se odeiam e se agridem quando têm interesses contrários e se amam e se acariciam quando aparece uma vantagem a ambos convenientes.

Segundo dizia Cícero, já na Grécia Antiga, gestos sem raízes ou coerência são naturais à atividade política pública; as outras profissões também têm seus pecados, mas elas podem se beneficiar do anonimato, enquanto que, nas lides políticas, escapam para o público as qualidades e os defeitos. E de tanto não ter nada a esconder, os políticos perdem a sensibilidade para o elogio, e a vergonha para os desaforos que possam receber.

É interminável o alcance da natureza espiritual que veste os políticos e a política partidária. Contudo, é pena que esse espírito deixou atualmente tão poucos a merecer nosso respeito, como profissionais ou como pessoas.

Contudo, nesse mar de contradições a classe gramadense ainda é considerada necessária e merecedora de amplo respeito por parte da população; e as exceções que surgiram não duraram mais do que um inquieto e desabonador mandato. Os equívocos administrativos, por sua vez, percorreram sem ressalvas os caminhos do sistema judiciário, a quem coube responsabilidade conclusiva sobre os atos irregulares. E esse lugar especial muito orgulha nossa comunidade e nos anima a enfrentar as urnas, mesmo sob a macabra vigilância do Corona vírus.