skip to Main Content

Entrevista

Luciano Peccin

Foto: Divulgação

Para o empresário a Páscoa está perdida e o Festival de Cinema deve ser transferido para setembro, seria a grande volta‘, diz ele.

O empresário Luciano Peccin é diretor do grupo Casa Hotéis que tem em seu guarda-chuva o Hotel Casa da Montanha, Hotel Petit Casa da Montanha e Hotel Wood em Gramado e, em Cambara do Sul, o Parador Casa da Montanha. Foi responsável pela criação do Natal Luz de Gramado e é o empresário mais importante na inovação do Turismo de Gramado. Conversamos com ele sobre o impacto no setor, depois de divisas e portas fechadas por tempo indeterminado, em Gramado e no mundo.

*Os comentarísticos dos Leitores estão no final da entrevista.

  • gramadomagazine.com.br: O sentimento de insegurança (medo) da pandemia te afetou? De que forma?

Luciano Peccin: Acho que não afetou só a mim, mas ao mundo todo. De certa forma ninguém estava preparado para isto. É uma guerra que não se enxerga o inimigo. Estamos todos em casa, com medo é claro e fazendo o que nunca fizemos. Aprendendo a conviver só, aprendendo a lavar as mãos, a ter cuidados etc. Todos no meu modo de ver estão inseguros e sem opinião formada sobre o dia de amanhã.

Todos dizemos que vai passar, mas não sabemos quando e esperamos que breve. Me manter em casa não é muito difícil, tenho dito aos amigos que somos privilegiados por morar em Gramado e em casas confortáveis e com espaço. O que mais me afeta e não poder estar confraternizando com amigos e claro financeiramente como vamos fazer para a sobrevivência de nossas empresas.

  • gramadomagazine.com.br: Como o Grupo Casa está se preparando para o retorno as atividades? Expectativa positiva para a Páscoa?

Luciano Peccin: Nossos hotéis são nossos colaboradores e neste momento o que mais nos preocupa é como manter a moral alta de toda nossa equipe. Trabalhos importantes estão sendo feitos junto a eles e, a tecnologia nos permite estar com eles permanentemente e para isso criamos grupos que se conectam. Nunca em minha vida pensei em usar a chave da porta de entrada dos hotéis. Sempre dizia que ao abrir um hotel pode-se colocar a chave fora, pois, a porta está sempre aberta. Vivemos em momentos totalmente inesperado e precisamos ser muito, mas muito criativos neste momento. O retorno a atividade hoteleira no meu modo de ver vai ser lento, penso que somente no final do ano chegaremos a patamares de ocupação que vínhamos tendo. Isso por si só é um desafio, estamos diariamente tomando decisões fortes, seja na parte financeira seja na retomada das atividades. A Páscoa não vai existir, precisamos pensar bem mais à frente.

  • gramadomagazine.com.br: Tu acreditas que a partir dessa paralização mundial o Turismo terá que ser reinventado, ou com a descoberta de um medicamento tudo voltará as ser como antes? O brasileiro terá alguma mudança cultural a partir deste evento?

Luciano Peccin: Penso que o fim desta pandemia se chama vacina e medicamentos e isso cedo ou tarde vai acontecer. Isto no meu modo de ver vai fazer que o retorno de qualquer atividade de convívio volte ao normal e penso que muito mais forte. O que está acontecendo vai fazer que abramos os olhos para o que deixamos de fazer, o quão frágil somos e como devemos aproveitar melhor. Penso que vamos sair desta muito melhores, muito mais conscientes, muito mais humanos. Vejo o Turismo como a grande chance de incremento pois todos devemos aproveitar mais, deixar de fazer o que gostaria é coisa passada, não esperar para o amanhã o que pode se fazer agora, vai ser o ditado no nosso meio. Precisamos estar preparados e muito preparados para isso. Com certeza vamos sair muito fortes depois que tudo acabar. (Claro quem sobreviver.)

  • gramadomagazine.com.br: Com a situação agravante em todos os países e o fechamento de fronteiras, Gramado terá um fluxo maior e mais seleto de turistas?

Luciano Peccin:  Creio que o Turismo deve ter sido a primeira economia a ser afetada e acho que será a última a retomar. Para tanto precisamos nos preparar. Como? Com que ações? Quem está pensando nisso? De que forma? Não acredito numa retomada antes de setembro, mas o que faremos quando setembro chegar? Só limpar a cidade e plantar flor não é a solução, claro que ajuda, mas isso está no nosso sangue.

Criamos uma empresa para cuidar do turismo e colocamos uma secretaria na gaveta, inoperante e sem apoio. Enquanto a empresa tenta fazer os eventos existentes, pois nada criou, a secretaria que tinha que estar com a pasta debaixo do braço vendendo nossa cidade não tem fundos para isso. Talvez seja a que menor orçamento tenha, esquecendo que a maior parte das receitas do município vem dela. Gramado chegou a aqui com investimentos permanentes da comunidade e da prefeitura, o que se vê agora é que a empresa tem que dar lucro, enquanto o lucro são as receitas que aumentam nos cofres da prefeitura.

Precisamos investir e muito em nossa cidade. Veja por exemplo o Festival do Cinema, há 40 anos igual onde nós somos o salão de festas de um grupo que faz tudo e recebe por isso. Na minha visão precisamos reinventar o Festival da mesma forma que reinventamos o Natal. Precisamos fazer um festival em 30, 40, 50 dias, com programações distintas, diferentes e atrativas, temos que ter cinema por toda a cidade, filmes a atores por todo o lado, feiras, festas, encontros, shows e muito mais, lembram do drive-in!

Me lembro que quando iniciamos o Festival os hotéis tinham uma grande participação e olha, na época só tínhamos dois grandes hotéis. Hoje temos mais de 100 e porque não participamos? Porque não damos por exemplo cinco diárias cada para alongar o período do Festival. Porque não fazemos eventos dentro dos hotéis? O Festival é a maior marca de Gramado, maior que a do Natal Luz. Mas como fazer isso? Com a comunidade e não com uma empresa, ele pode ser até a parte legal e econômica para isso, mas quem tem que fazer é a comunidade, são pessoas daqui que sabem muito bem o que fazer. Contratar é fácil, criar é o que sabemos fazer. Vi algum tempo atrás um grupo com projeto de criação do Polo de Cinema de Gramado, deve estar engavetado, mas que ideia genial para dar uma grande mexida no Festival, fazendo a nossa parte. Muita coisa boa pode acontecer.

  • gramadomagazine.com.br: O inverno, que deve ser o pico da circulação do vírus no RS, segundo o próprio Ministro da Saúde, vai retrair o Turismo aqui?

Luciano Peccin: Vai. Assim como a Páscoa que está perdida em termos de público e nada vejo de apoio as nossas fabricas de chocolates, que passam pelo pior momento no meu modo de entender. Talvez agosto como mês do chocolate possa ajuda-los se nosso pessoal do Turismo assim entender e se dedicar. Precisamos ajudar a desovar o que foi feito para a Páscoa, caso contrário serão os primeiros a fechar as portas, precisamos fazer algo.

Penso que nosso inverno, que sempre se vendeu por si só não vai acontecer este ano. Isso mostra também como somos acomodados nas coisas. O inverno está bom, deixa assim. O Natal está bom, deixa assim, o Festival está bom, deixa assim, a Festa da colônia está boa, deixa assim. Parece que só queremos colher os ovos de ouro e parar de criar as galinhas. Isso acaba e talvez este coronavirus veio para nos mostrar o quanto estávamos acomodados com tudo.  Agora a agua bateu nas canelas, precisamos correr, mas não aproveitando o cavalo que passa encilhado, mas o trem bala que está cruzando nas nossas barbas. Temos que parar de fazer eventos tentando superar o do ano passado. Isso é obrigação. Temos que criar, criar mais espetáculos, mais novidades, sermos o melhor dos melhores e não do show do ano passado. O vírus está aí e não sabemos o que vai acontecer, mas podemos nos preparar para o retorno.

  • gramadomagazine.com.br: A partir de quando tu acreditas que haverá a normalização do fluxo do Turismo em Gramado, se é que vai acontecer ainda em 2020?

Luciano Peccin: Penso que vamos ter o melhor Natal Luz. Todos vão querer vir para a Serra no final do ano e, precisamos estar preparados para isso. Não acredito que a volta seja impactante no primeiro momento, não embarco num avião por algum tempo e penso que as pessoas vão fazer o mesmo, isso nos dá uma grande vantagem em receber pessoas aqui de perto, por isso acredito que nossa retomada seja a partir de agosto, setembro, como vamos sobreviver até lá não sei, somos empresários e não videntes. Mas como falei antes sobre o Festival, creio que esta seria a grande volta, transferiria ele para setembro para ter mais tempo para trabalho e acreditar que por lá as pessoas já estejam mais dispostas. Botar a mala debaixo do braço e ir par Santa Catarina, Paraná e vender nosso peixe. Eles não têm praia no inverno, vamos aproveitar.

  • gramadomagazine.com.br: Qual tua avaliação com relação ao Natal Luz, que é um evento de massa? Tu, como criador do evento, acreditas que deva ser reinventado, buscando menos quantidade de pessoas em função da epidemia?

Luciano Peccin: Um evento não pode parar no tempo, como disse antes, fazer o deste ano para superar o do ano passado, seja em número de pessoas ou financeiramente não é o fundamental. Temos que ser falados, temos que mostrar nossa competência e criatividade. Há muito as manchetes do Natal são: Público aumentou em X. O resultado $ foi de Y e não mais, não foi fantástico, foi MARAVILHOSO. Há 10 anos nada mais criamos, melhoramos talvez, mas criar, nada, nem um novo show para somar e não para substituir. Penso que a Gramadotur está fazendo a sua parte, pois foi isso que disseram para ela fazer. Nunca mais vi ser formada uma comissão de Gramadenses com G maiúsculo para participar, opinar e trabalhar e não vai ser um conselho formado por entidades que vai fazer isso.  Estão carentes disso, falta alguém para empolga-los. Precisamos copiar lá de fora e não daqui ou do ano passado, precisamos saber o que o mundo pensa o que está fazendo, como e de que forma, o que de mais técnico existe e colocar as pessoas no foco.

  • gramadomagazine.com.br:  Esta é talvez, a primeira de outras situações que possam surgir, interferindo na movimentação do setor de eventos da iniciativa privada no município, que paga taxas significativas ao poder público. São feiras, congressos, casamentos, eventos corporativos, que tiveram que ser desmarcados e afetaram, como em outros setores, o segmento. Temos alguma entidade que deva liderar um movimento junto ao poder público para gerenciar o prejuízo?

Luciano Peccin: As entidades de gramado (poucas) estão se dedicando e tentando ajudar, ocorre que vivemos (sempre) na cidade uma democracia ditatorial, ou do paizão. Tudo tem que ser decidido pelo Prefeito e ele tem que apostar ou deixar a coisa ir andando. Estamos numa situação que nunca estivemos e o paizão tem que pedir autorização ao tio para não apanhar, difícil, com este ou qualquer outro que sentar naquela cadeira. Vejo a Visão como a entidade que tem tomado a frente a iniciativas com a comunidade, a Abrasel que tem transformado o Festival de Gastronomia com muita criatividade e sucesso. Ele tem trabalhado muito unidos, até porque os dois presidentes são da mesma família, hehehe.

Há pouco li um manifesto ou uma sugestão que um grupo de jovens empresários estão apresentado ao poder público. Vê-se claramente o interesse destas pessoas em participar, em opinar em ajudar. São caras novas, com tesão, com vontade e garra e com conhecimento. São pessoas que estão conectadas com o mundo, seja em viagens frequentes ou nas telas dos computadores. Iniciativas como estas é o que vão somar para interferir e nos ajudar. O que precisam é de apoio, político e comunitário.

Parador Casa da Montanha

Foto: Divulgação

Hotel Casa da Montanha

Crédito: Divulgação

Wood Gramado Hotel

Crédito: Divulgação

Petit Casa da Montanha

Foto: Divulgação

Essa matéria tem 22 comentários

  1. Baita entrevista.achei q ele nunca mais faria isso.sentis nele uma necessidade.psrsbens Tela conseguistes tira.lo p expressar p muitos mudem.

  2. O Luciano é um homem de visão e sempre esteve à frente de seu tempo com seu tino de empreendedor e criatividade.Ê uma entrevista coerente e quase uma forte sugestão para não dizer conselho de alguém que tem experiência naquilo que fala,embora hoje estejamos vivendo situações novas e diante de um inimigo silencioso e que vai trazer consequências desastrosas na economia mundial.Qualquer decisão é um tiro no escuro nesse momento pois desconhecemos o amanhã!Só nos resta termos fé que isso tmb vai passar e nos prepararmos para esse futuro próximo!Quem sabe nos tornaremos pessoas melhores!!!

  3. Parabéns Luciano , bela entrevista !!! Visão humana e empresarial. Nunca vivenciamos um momento em que é tão importante ter as duas !! Parabéns
    A propósito , fui hóspede e sou fã do seu hotel ..
    Forte abraço

  4. Parabéns Luciano esse sim sabe fazer, sabe organizar, sabe inovar, sabe criar tem capacidade e que bom se voltasse para trabalhar na área do turismo se sente firmeza com ele na frente. Mais uma vez parabéns

  5. Como sempre um exemplo. Não me conformo e nunca vou entender como alguns por interesse político, tiveram a capacidade de retirar ele das atividades do Natal Luz.

  6. Parabéns pela entrevista!
    Esclarecedora, Histórica e sinceramente não consigo imaginar Gramado, sem as suas Festas principais.
    Assisti ao nascimento de todos os capitaneados pelo Srs e não imagino Gramado sem as suas Festas que já são conhecidas mundialmente. Sou da área do Turismo, iniciei como Guia de Turismo em Poa, Gramado e Canela. Atualmente tenho uma Agência, Grantour Turismo que com os ônibus e Vans levam os Turistas a Região das Hortênsias.Tenhi casa em Gramado, assisti o nascimento e acompanho todos os Eventos e nem de longe vejo o término dos mesmos. Acredito no Turismo da Serra e assisti o fim da Soletur, como hoje assisto o final da poderosa CVC. E Gramado continua firme e forte e assim vai continuar , se depender do Turismo Receptivo que deveria passar por uma renovada.
    Parabéns e avante
    Atenciosamente
    Gladis Rohde
    Grantour Turismo Poa

  7. Parabéns, sua entrevista é muito sensata e verdadeira, só poderia vir de um homem de visão e de grande sabedoria .
    Um abraço, família Haberler.

  8. Meu nome é Vera
    Parabéns Sr.Luciano e muito obrigada pela palavras de incentivo.Tenho uma agência de turismo a Frozzenturviagens em Porto Alegre .Sou nova no mercado, mas já estive em Gramado algumas veze levando grupos ou me capacitando.
    Goste muito de sua entrevista e já me sinto animada em montar pacotes de viagens bem como voltar a levar meus grupos para visitarem a bela cidade de Gramado.
    Não podemos desanimar é uma crise vai passar não sabemos quando, porém acredito que devemos nos inovar reinventar.
    Agradeço de coração pelas suas palavras.
    Att..

  9. Isso que precisamos neste momento, palavras sábias de uma pessoa de visão que fez muito por Gramado e devemos ouvi-lo sempre. Parabéns !!!

  10. Parabéns pela entrevista, é sempre ouvir quem tem talento. Acredito na união, na força que ela gera, quando o interesse comum, se torna coletivo. Que toda essa situação sirva também para nos tirar da zona de conforto.

  11. Luciano Peccin,este é o cara mais conectado com o mundo que conheço, grande capacidade de se reinventar ,sem caretices,e sem aquela visão brega e romântica de ganhar dinheiro explorando turistas com conversa mole!!! Achei sensacional a idéia do festival de cinema estar presente em vários locais da cidade e de várias formas:debates , sessões, drives,etc!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top