Rua Coberta, Gramado! Foto: Tela Tomazeli

Gramado entrou em sinal de alerta no final de semana do Carnaval e, por mais que busquemos noticiar somente fatos positivos, não podemos nos omitir com relação as providencias que estão sendo tomadas sobre a informação de ser em Gramado o aparecimento da ‘nova cepa’ do vírus Covid-19, que desencadeou uma intensa movimentação na imprensa.

Não vamos entrar no mérito, mas, é perceptível que o município está em prontidão, pelo novo decreto (abaixo), pelas filas nas farmácias para exames e pelo aumento de casos que levam o Hospital Arcanjo São Miguel, até então ‘sob controle’, suspender cirurgias e outras providencias que não sejam emergenciais, fato que ocorreu no início, quando tudo era novidade. O que se houve é que estamos no pior momento, desde o início da pandemia, mas, é conversa de rua que ninguém atesta. Aparentemente não fica visível, mas, temos conversado com empresários que estão bastante sensíveis a situação, coisa que não ocorria até então.

O Dr. Fabiano Rosseti Ruoso, comentou em rede social, referente a providência da Secretaria da Saúde de Gramado, que de pronto, disse que iria reavaliar os eventos, como se fossem eles os causadores do processo: “Não tem “culpa” de ninguém. A culpa é do vírus mesmo. Só desinformação. Essa cepa *P1 está circulando já pelo menos um mês em diversos municípios. Gramado apenas “sequenciou” o primeiro caso com genotipagem, porque chamou a atenção a modificação no ritmo e comportamento da pandemia. Isso não tem nada a ver com medidas restritivas etc, mas com a evolução natural e especialização do vírus em aumentar a sua capacidade de disseminação”.

Respondendo à pergunta de outro comentário: “Doutor, vai começar todo o inferno de novo? Esta vacina vai nos proteger deste mutante? Já tive o 19”, ele diz: “Parece que sim, imunidade cruzada ocorre se houver soroconversao contra a proteína S do vírus. A cepa da África do Sul parece um pouco mais problemática porque a proteína S tem várias mutações num setor específico, o RBD, então estão reportando menos eficácia de algumas vacinas, mas não há nada muito conclusivo. Vamos vendo”, finaliza.

De nossa parte questionamos Gabinete de Crise Covid-19 sobre as seguintes questões: por que as áreas públicas estão abertas? Por que os eventos não podem ser realizados se cumprem todos os protocolos? Terá Páscoa em Gramado, mesmo só a decoração, que gera aglomeração?

Tivemos como retorno do Gabinete que, nesta quinta-feira (18) o Gabinete de Crise Covid-19 terá uma reunião com a secretária de Turismo e presidente da Gramadotur, Rosa Helena Volk. A reunião será acompanhada pelo trade turístico. Vamos aguardar. Não foi passada mais informações sobre o encontro!

SOBRE A REUNIÃO ACIMA CITADA, depois de verificar que o TRADE não sabia da situação (após publicação desta edição), entrei em contato com a secretaria de Turismo e presidente da Gramadotur, Rosa Helena Volk para me certificar, que respondeu o que segue: ” Oi Tela. Na verdade pensamos em fazer reunião virtual com as entidades do trade que estão no Conselho da Gramadotur junto com o Bira (Dr. Ubiratã Oliveira – Responsável pelo Gabinete de Crise) para esclarecer sobre o Decreto”.

Já, por outro lado, o setor de eventos sociais também está a mingua, e isso inclui casamentos, aniversários (existe uma cadeia de fornecedores que vai do florista a recepcionista…), shows, músicos, etc… Haverá uma forma de retomar, talvez com severidade máxima quanto ao cumprimento dos protocolos, visto que no corporativo isso é exigido, pois não é mais possível sobreviver sem trabalho e, gostem ou não, isso foi dito desde o inicio. A verdade é que, na falta de um meio termo, a população vem a cada dia gerando mais aglomeração, em uma corrente que chega a irresponsabilidade total, como tem sido visto no pais e, nas praias do RGS no último final de semana. E, em certos pontos de Gramado, de convivência pública.

As pessoas cansaram e é chegada a hora de os gestores públicos realinharem suas ações, pois o que já se vê nas ruas é uma desobediência civil, e não existe força pública que consiga segurar, isso é uma constatação e não uma especulação. A fatalidade na transmissão do vírus para seus próprios familiares caiu em descaso, principalmente pelos jovens, por isso reitero que a comunicação do use máscara, passe álcool em gel e não aglomere já caiu por terra. É hora de reconstruir a narrativa porque, até acontecer com a própria pessoa, ela não está mais dando crédito a fatalidade do vírus. A abordagem deste conteúdo não é baseada em dados oficiais, é a visão desta editora sobre a atual situação da pandemia.

Tela Tomazeli

Art. 1º Revoga-se o inciso XIV e o Parágrafo Único do art. 2º do Decreto Nº 338/2021, o qual passará a vigorar com a seguinte redação:

Fica suspenso no território de Gramado:

I – o retorno às aulas nas escolas públicas e privadas;

II – os serviços de transporte escolar e universitário;

III – as atividades de qualquer natureza em ginásios e quadras esportivas públicos e privados;

IV – a realização de jogos, competições e eventos esportivos de qualquer natureza;

V – a realização de eventos, em locais públicos ou privados;

VI – a realização de cirurgias eletivas e procedimentos eletivos no Hospital Arcanjo São Miguel, nas clínicas de saúde e estabelecimentos congêneres, exceto em emergências, urgências e obstetrícia;

VII – a utilização de áreas comuns e de lazer nos hotéis e em condomínios;

VIII – a realização presencial de assembleias, reuniões, conferências, capacitações e similares em espaços públicos e privados;

IX – atividades de qualquer natureza em cinemas e teatros;

X – a realização de shows, palestras e cerimônias de quaisquer tipos, de forma presencial;

XI – eventos sociais de clubes e afins, de forma presencial;

XII – eventos, espetáculos e apresentações de qualquer natureza em casas 1 / 3 noturnas, casas de festas, clubes, restaurantes, bares, pubs e afins;

XIII – uso de piscinas, saunas e academias de ginástica de todo e qualquer estabelecimento público ou privado, tais como clubes, parques, hotéis, condomínios, associações.

Ficam estipulados os tetos de operação para os seguintes estabelecimentos e empreendimentos comerciais e de prestação de serviços:

I – parques, museus, arquivo público e biblioteca municipal, 50% dos trabalhadores e 30% da lotação;

II – restaurantes, salões de café da manhã, refeitórios, bares, lojas, supermercados, hotéis e similares, 50% dos trabalhadores e 50% da lotação;

III – transporte coletivo de passageiros, inclusive em passeios turísticos, 50% da capacidade do veículo e 100% dos trabalhadores, proibido o transporte de pessoas em pé;

IV – missas, cultos, serviços religiosos e afins, 30% da capacidade;

V – atividades personalizadas de educação física em ambientes fechados (salas, estúdios ou similares) são permitidas apenas com agendamento de horários, respeitando o máximo de dois alunos por hora;

VI – academias de ginástica e afins, um aluno a cada 20m², com agendamento de horários, sendo vedada aulas em grupo. Parágrafo Primeiro. Deverão as academias de ginástica e afins efetuar a sanitização semanal de seus ambientes, apresentando laudo à Vigilância Sanitária.

Parágrafo Segundo. O descumprimento das regras previstas neste artigo submete o infrator ao disposto no art. 3º da Lei Complementar Nº 1 de 8 de maio de 2018 (Código de Posturas) com a aplicação da penalidade prevista nos inciso IV do art. 4º (cassação do alvará de funcionamento ou de localização) pelo tempo de vigência deste Decreto.