Antonio Villeroy. Crédito: Nilton Santolin

Depois de uma apresentação memorável no Theatro São Pedro, em dezembro do ano passado, Antonio Villeroy retorna com o show Luz Acesa no dia 05 de março, às 21h, no Teatro Renascença (Av. Erico Veríssimo, 307 – Azenha), em Porto Alegre. No palco, um  dos maiores compositores e cantores brasileiros faz uma viagem no tempo e resgata canções consagradas que fizeram sucesso ao longo dos seus 38 anos de carreira. Em abril, Villeroy embarca para uma nova turnê pela Europa.  

Acompanhado de piano, violões e baixo, o “cantautor (mistura de cantor com autor) irá relembrar clássicos como Garganta, Amores Possíveis, Pra Rua Me Levar, The Way You`re Looking At Me e a canção título do show. Além dos clássicos, o público poderá conferir canções inéditas, como Equador, composta em Lisboa com a artista portuguesa Luísa Sobral, e Soy La Mujer De Mi Vida, composta em Madrid com a venezuelana Georgina. “Nesse show, faço uma retrospectiva dos quase quarenta anos de dedicação à música. Escolhi 18 canções de um repertório de quase 400 músicas”, afirma Villeroy. Também no repertório, Moda de Sangue, de Jerônimo Jardim e Ivaldo Roque, e Que Reste-t-il de Nos Amours, de Charles Trenet, que tiveram importância fundamental na vida do artista.

Europa

Em abril, Antonio segue para nova turnê europeia, onde realizará doze apresentações de Luz Acesa em cidades de Portugal, França, Áustria e Holanda. A agenda também inclui duas apresentações na Áustria do novo projeto chamado Tribute to João Gilberto, onde interpreta grandes clássicos da música brasileira e internacional que foram eternizados pelo criador da Bossa Nova. Em 2019, Villeroy passou dois meses viajando pela Europa com o Luz Acesa, percorrendo diversas cidades do Sul, Sudeste e Nordeste.

Crédito: Nilton Santolin. Carreira

Cantor, compositor e produtor brasileiro, influenciado pela bossa nova e pelo samba, Antonio Villeroy, em 1981, então com 20 anos, deixou a faculdade de Agronomia para dedicar-se à música. De lá pra cá, lançou um DVD, nove CDs e tornou-se um dos compositores brasileiros mais gravados dos últimos tempos. São cerca de 250 canções gravadas por mais de 110 artistas do Brasil e de outros países das Américas, Europa e África.

Crédito: Nilton Santolin

Só a cantora brasileira Ana Carolina gravou 33 músicas dele. Entre os outros intérpretes consagrados estão Gal Costa, Ivan Lins, João Donato, Maria Bethânia, Maria Gadú, Mart’nália, Moska, Preta Gil, Seu Jorge e Zizi Possi.  Da Itália, Chiara Civello e Mario Biondi. Dos Estados Unidos, Don Grusin, Jesse Harris e John Legend. Da Argentina, Dolores Solá, e do continente africano, Lokua Kanza e Alune Wade, entre outros artistas ao redor do mundo. Algumas de suas canções foram temas de filmes, novelas e minisséries no Brasil e exterior. Nesses 38 anos de carreira, como artista, levou sua música para todo Brasil e para diversos países das Américas, Europa e África, apresentando-se para públicos de até 30 mil pessoas.