skip to Main Content

Com apoio do Grupo CCR, cerca de 30 mil pessoas já visitaram gratuitamente o Museu do Amanhã entre março e maio deste ano

Programa Terças Gratuitas permite acesso às exposições e atividades

Incentivo à cultura, inovação e à inclusão social. Com apoio do Grupo CCR, por meio do Instituto CCR, cerca de 30 mil pessoas já visitaram gratuitamente o Museu do Amanhã entre março e maio deste ano. Mantenedor do museu, a CCR retomou o Programa Terças Gratuitas, que permite o acesso livre de qualquer visitante às exposições e atividades em cartaz.

Entre os visitantes, a iniciativa é mais do que bem-vinda. “Liberar as terças-feiras para a comunidade de modo geral é fantástica, porque muitas pessoas precisam de cultura e não conhecem a maravilha que é apresentada aqui no museu”, afirma Luiz Carlos, frequentador do museu. Já Ana Carolina Mota ficou surpresa com a questão da gratuidade: “fiquei bem apaixonada pelo projeto”.

De acordo com Jéssica Trevisam, Gerente de Responsabilidade Social do Instituto CCR, o retorno da gratuidade ajuda a ampliar a conexão do público com a arte e a cultura. “Esta iniciativa faz parte do nosso compromisso em fazer com que o acesso à cultura seja universal, possibilitando aos visitantes que tenham acesso a um dos melhores museus do mundo.”

 

Ingressos gratuitos: saiba como retirar

Para conhecer gratuitamente o espaço cultural é preciso retirar os ingressos on-line pelo site da Eventim. No dia da visita, será necessário apresentar o voucher, impresso ou pelo celular. O agendamento dos bilhetes terá dia e horário marcado para controlar a quantidade de pessoas que estará no Museu ao mesmo tempo, evitando aglomerações e permitindo uma experiência mais segura para todos.
Para Maria Garibaldi, diretora-executiva do Museu do Amanhã, as “Terças Gratuitas” é um convite para que as pessoas visitem o museu e debatam sobre ciência, educação, sustentabilidade e democracia. “Vamos pensar juntos nos melhores amanhãs possíveis”, destaca.
Confira aqui imagens do museu e depoimentos de outros visitantes.

Sobre o Instituto CCR | Entidade privada sem fins lucrativos, gerencia o investimento social do Grupo CCR, para proporcionar transformação social. Com apoio a projetos via leis de incentivo, campanhas institucionais e por meio dos programas proprietários, como o Caminhos para a Cidadania, que atende mais de 1,3 mil escolas, e o Caminhos para a Saúde — presente em seis regiões — oferecendo atendimento a caminhoneiros, motociclistas e ciclistas. O foco do Instituto CCR é a transformação social por meio de iniciativas de geração de renda, saúde, educação, cultura e esporte. Somente em 2021 foram aplicados mais de R$ 40 milhões em projetos sociais gerenciados pelo Instituto. Saiba mais em Instituto CCR

Sobre o Museu do Amanhã | O Museu do Amanhã é gerido pelo Instituto de Desenvolvimento e Gestão – IDG. O projeto é uma iniciativa da Prefeitura do Rio de Janeiro, concebido em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, instituição ligada ao Grupo Globo. Exemplo bem-sucedido de parceria entre o poder público e a iniciativa privada, o Museu conta com o Banco Santander como patrocinador máster, a Shell Brasil, ArcelorMittal e Grupo CCR como mantenedores e uma ampla rede de patrocinadores que inclui Engie, Americanas, IBM e B3. Tendo a Globo como parceiro estratégico e Copatrocínio da Light e Raia Drogasil. Conta ainda com apoio de EY, Sodexo, EMS, Rede D’Or, White Martins, Bloomberg, Colgate, Chevrolet, TechnipFMC, Universidade Veiga de Almeida, Granado e BMC Hyundai. Além da Accenture e o British Council apoiando em projetos especiais, contamos com os parceiros de mídia Artplan, SulAmérica Paradiso e Rádio Mix.

Sobre o IDG | O IDG – Instituto de Desenvolvimento e Gestão é uma organização social sem fins lucrativos especializada em gerir centros culturais públicos e programas ambientais. Atua também em consultorias para empresas privadas e na execução, desenvolvimento e implementação de projetos culturais e ambientais. Responde atualmente pela gestão do Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, Paço do Frevo, em Recife, como gestor operacional do Fundo da Mata Atlântica e como realizador das ações de conservação e consolidação do sítio arqueológico do Cais do Valongo, na região portuária do Rio de Janeiro. Também é responsável pela implementação da museografia do Memorial do Holocausto, a ser inaugurado em 2022 no Rio de Janeiro. Saiba mais no link. Em 2022, o IDG se tornou o responsável pela implementação do Museu das Favelas, em São Paulo.

Essa matéria tem 0 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top