skip to Main Content

A Ressurreição não compreendida

(Jo 20,1-9)

DOMINGO DE PÁSCOA  

A Ressurreição pegou desprevenidos os discípulos e as pessoas mais chegadas a Jesus. Maria Madalena, na manhã do primeiro dia da semana, ou seja, o domingo para nós foi bem cedinho, ao sepulcro. Seu objetivo era chorar o amigo morto. Visita nostálgica, para recordar um tempo que jamais voltaria.

Para sua surpresa, a pedra sepulcral não estava na posição devida. Tinha sido removida, e o corpo de Jesus não se encontrava no túmulo. Tomada de surpresa e espanto, Maria Madalena saiu apressada, a fim de comunicar o fato aos discípulos. Pedro e o discípulo amado correram em direção ao sepulcro, para constatar o ocorrido. Lá se encontravam as faixas e o lençol usados no sepultamento de Jesus, mas o corpo não. Algo já se podia suspeitar: como era possível levar embora um cadáver, já sepultado, deixando para trás as faixar e o lençol que o envolviam? Eles estavam diante de um fato intrigante.

Pedro e Maria Madalena ficaram com a hipótese da retirada do corpo. Eles não contemplaram a possibilidade de Jesus ressuscitado. É no coração do discípulo amado que se desperta a intuição de que o Mestre estava vivo. Não é fácil determinar o conteúdo de sua fé, neste primeiro momento. Talvez João pensasse que algo de extraordinário tivesse acontecido com o corpo de Jesus. O verdadeiro significado do sepulcro vazio era ainda uma incógnita. Seria preciso dar tempo ao tempo para que tudo ficasse esclarecido.

O Mistério da esperança:

Crer no Ressuscitado é resistir a aceitar que nossa vida é somente um pequeno parêntese entre dois vazios. Apoiando-nos em Jesus ressuscitado pro Deus, intuímos, desejamos e cremos que Deus está conduzindo para sua verdadeira plenitude o anseio de vida, de justiça e de paz que se encerra no coração da humanidade e em toda criação.

Crer no Ressuscitado é rebelar-nos com todas as nossas forças contra o fato de que essa imensa maioria de homens, mulheres e crianças, que só conheceram a miséria, humilhação e sofrimentos nesta vida, fique esquecida para sempre.

Crer no Ressuscitado é confiar numa vida na qual já não haverá pobreza nem dor, ninguém estará triste, ninguém terá que chorar.

Crer no Ressuscitado é aproximar-nos com esperança de tantas pessoas sem saúde, enfermos crônicos, deficientes físicos e psíquicos, pessoas submersas na depressão, cansadas de viver e de lutar. Um dia todos conhecerão o que é viver em paz e em plena saúde. Escutarão as palavras do Pai: “Entra para sempre no gozo do teu Senhor”.

Crer no Ressuscitado é não resignar-nos a que Deus seja para sempre um “Deus oculto”, do qual não possamos conhecer o olhar a ternura e seus abraços.

Crer no Ressuscitado é confiar nos esforços por um mundo mais humano e feliz e não se perderão no vazio.

Crer no Ressuscitado é saber que tudo oque aqui ficou pela metade, o que não pode ser o que ficou estropiado com nosso torpor ou nosso pecado, tudo alcançará em Deus sua plenitude. Nada se perderá do que vivemos com amor ou do que renunciamos por amor.

Crer no Ressuscitado é esperar que as horas alegres e as experiências amargas, as “impressões” que deixamos nas pessoas e nas coisas, oque construímos com amor, tudo ficará transfigurado. Já não conheceremos a amizade que termina a festa que acaba, nem a despedida que entristece, Deus será tudo em todos.

Crer no Ressuscitado é crer que um dia vamos ouvir estas incríveis palavras que o livro do Apocalipse põe nos lábios de Deus: “Eu sou o princípio e o fim de tudo. A quem tiver sede, darei gratuitamente da fonte da água da vida”. Não haverá mais luto nem pranto, não haverá mais dor, nem fadigas, porque tudo isso terá passado. (fonte: PAGOLA, José Antonio O Caminho Aberto por Jesus – Vozes – 2013 pp.242-243).

Façamos nossa oração:

Senhor Jesus, ilumina nossa mente e nosso coração para que nós possamos superar nossas falsas compreensões a respeito da Ressurreição. Amém.

Essa matéria tem 0 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top