Onde moro é assim

Eu acredito que tudo inicia em casa, dentro dela. Dai vamos para nosso jardim, em seguida para nossa rua, depois para o nosso bairro. Seguimos então para nossa cidade/municipio (urbano e rural), dai vamos para nossa região, nosso estado e finalmente somos o resultado do país que temos. Nesta edição começo pelo local onde moro, onde edito a gramadomagazine.com.br, onde penso em meus eventos, onde caminho, corro, ando de bicicleta, onde vivo apaixonadamente com meu filho...

 

clique nas imagens para ampliar, é mais legal!

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Eu queria ter o dom das palavras, de lindos textos, mas, confesso que fui uma aluna medíocre na escola, não muito melhor no segundo grau e acabei fazendo supletivo... Quase formada em jornalismo, iniciante do curso de Moda e Estilo e com canudo em Turismo, bacharelado pelo qual me apaixonei e, sendo assim, passou a conduzir minha vida profissional e pessoal. Na minha panela borbulha o jornalismo, o turismo e a organização de eventos... Na prateleira algumas poções de criatividade que me fazem andar com a casa pelas costas, uma tesoura no closet que vai desenhando as roupas até que não possam ser mais usadas e, um escritório que é um mix de tudo acima, mais confecção de assessórios e decoração de bicicletas...

Essa bagagem toda representa meu dia a dia, as vezes faço tudo ao mesmo tempo e tenho que pedir licença à bagunça para sentar e editar a revista que, a princípio é meu único compromisso semanal há 11 anos...

O que isso tem a ver com as fotos? Tudo! As imagens são meu signo interior. Quando saio para fotografar, as vezes penso: nossa, eu já fiz essa imagem mil vezes, qual o motivo de vê-la de outra forma agora? Então reflito sobre alguns poemas, crônicas, pensamentos que leio e releio, tem alguns autores que já reproduzi centena de vezes ao longo desses onze anos na Magazine, muitas vezes o mesmo conteúdo... Então, me sinto uma poeta das imagens, simples assim...

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Dizem que a imagem deve falar por sí. Mas tu consegue perceber as cores, as texturas, como se teus dedos estivessem tocando e sentindo as plantas, a água...Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Um troco desnudo, suas cascas descolando como feridas secas, sua pele aflorando desprotegida mas não, seu interior é feito de força...Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

#finaldeanohoreadeferiasparanooexplodir

Como as pessoas se comportam? Creio que cada cidadão dá o quem tem, uns nascem para usurpar, outros para receber seu investimento e também para contribuir. Terça-feira a noite sai para fotografar as fachadas decoradas de Natal, alguns, normalmente os mesmos se esmeram, afinal estamos na cidade do Natal Luz. Outros seguem com a decoração desbotada que colocam ano após ano, só para constar e, a grande maioria não coloca uma luzinha ou um tope sequer em seu estabelecimento comercial. Está no contexto apenas para ‘encher as burras’ (adoro essa expressão, não sei de onde tirei) de dinheiro. Mas, é vida que segue, é mais fácil assim...

Aliás, algumas características se acentuam com o tempo nas pessoas, como por exemplo a explicitação do interesse pelo que tens e não pelo que és... Eu sei que estou engatando uma coisa na outra e de repente colocando tomate na salada de frutas mas, ando com meu copo transbordando e, minha sensibilidade está a flor da pele. Sabe quando tu consegues perceber a intencionalidade das pessoas? Na verdade, sempre consigo, mas ultimamente elas têm sido tão hipócritas que nem é necessário ter sensibilidade e pior, estão mal-educadas. Então o que tenho a dizer é que, aqui, pelo menos aqui, quem manda sou eu, por isso trata de ter civilidade porque não sou obrigada. É tenso, as pessoas ganham uma grana oferecendo como resultado a publicação nos veículos de comunicação e simplesmente não investem um centavo. Se ao menos recolhessem meus boletos para pagar no final do mês já seria uma ‘permuta’.

#finaldeanohoreadeferiasparanooexplodir

Falando em esgotamento prezado Leitor, parceiro, assinante, como de costume eu e os colunistas tiramos alguns dias no final do ano para descansar, sim, aqui temos disso, mesmo na internet, férias. Vamos publicar a última edição de 2018 dia 20 de dezembro, que ficará no ar até dia 10 de janeiro de 2019, quando voltamos a ativa. De minha parte vou pegar o cajado e peregrinar durante esse período, usar as pernas para oxigenar os pensamentos.

Tela Tomazeli

 

Minha cidade e seus cidadãos 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli

 

Crédito: Tela Tomazeli