Talvez uma das cenas mais comuns nos dias de hoje é, ao entrar em um café qualquer, notar uma pessoa conversando com o próprio telefone ou muitas vezes fazendo caras e bocas em uma "selfie" que parece não ter fim.

Mas na verdade isso não é nada mais nada menos que o Snapchat, uma febre, principalmente entre os jovens, que através do aplicativo para celular podem tirar fotos, gravar vídeos, adicionar textos e desenhos à imagem e escolher o tempo que a imagem ficará no visor do amigo de sua lista. 

A rede social criada pelo americano Evan Spiegel, conta atualmente com 150 milhões de usuários ativos diariamente. Com esta marca, ultrapassa o Twitter no número de pessoas que publicam ou visualizam conteúdo todos os dias. 

Claro que em um mundo onde todo conteúdo publicado tem tempo de duração escolhido pelo produtor, que também é notificado caso outro usuário faça um"print" da tela, toda usabilidade parece ser voltada para a troca de "nudes" ou fotos que normalmente não seriam postadas em outra rede. 

Mas o Snap vai caminhando para outra direção, pois mais do que nunca nós usuários, buscamos cada vez mais a possibilidade de consumir conteúdo em tempo real para nos sentirmos conectados com um mundo sem fronteiras. E é exatamente aí que o aplicativo se encaixa.

 

 

Aos poucos novas estrelas virtuais vão surgindo, juntando milhões de seguidores curiosos para descobrir o que vestem, o que comem, para onde vão, etc...e isso meus amigos, pode ter um impacto muito positivo para todos. Pois afinal, se criamos astros sem a necessidade da grande mídia estar envolvida no processo, por que não aproveitar para criar o desejo do próximo destino de viagem? 

 

E-mail do colunista: marcus@rossiezorzanello.com.br

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.