O Natal Luz seria incompleto sem a música erudita e os desenhos luminosos que são lançados aos céus pelo primor artístico que se debruça sobre o Centro de Cultura todos os anos. Também seria incompleto se os caminhos que levam à tão notável espetáculo não fossem adornados pelas flores que garantiram a Gramado o título de Cidade Mais Florida do Rio grande do sul.

O majestoso Natal gramadense e a simplicidade das multidões de flores que compõem as beiradas de suas ruas, fazem um contraste que combina perfeitamente. O primeiro impõe-se pela grandiosidade do áudio e a ostentação da opulência, as segundas pela sabedoria do silêncio e a graça da humildade. As apoteoses de arte dominam as noites, sob luzes de poderosos holofotes e durante os dias, milhões de flores a tudo acalmam, abrindo os espíritos para motivos mais íntimos, solidários e duradouros, usando apenas a claridade do sol. E a sombra de nossos arvoredos, enchem de entusiasmo o coração de pessoas incógnitas perdidas em benignas, suaves e audaciosas fantasias de seus cansados espíritos.

Então, para escapar do lugar comum, elas convidam, às vezes, a serração ou o frio em meses de pleno verão. E as árvores de nossas ruas, elegantes e frondosas, aplaudem o orgulho dos canteiros que continuam adornando nossas glórias e fracassos, pintando de esperança os destinos de uma comunidade incansavelmente apaixonada.

E para sermos tão gratos quanto os turistas são, vamos colocar na lapela de nossos espíritos o privilégio de pertencermos a um lugar edificado sobre um imenso jardim. 

 

E-mail do colunista: riegelre@via-rs.net

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.