Quando a suavidade do inverno envolve a cidade, traz junto o motivo que mais aproxima os gramadenses de sua terra: o verdor imenso e tranquilo deixado pelo outono e que cobre seus territórios urbanos e rurais. Embora acostumados com esse panorama os gramadenses, volta e meia, se surpreendem novamente e se alegram por viverem num lugar assim. E os de fora, com os olhares e a lembrança machucados por cenários desolados, repetem, de modo nem sempre silencioso, o desejo de um dia virem a morar conosco.

Na verdade, o inverno tem jeito de estação triste. É que ele ainda não perdeu o medo das agressões que faziam os tesourões, nos tempos em que as árvores de nossas ruas eram mutiladas, em obediência à uma consciência climática esdrúxula, nunca compreendida por suas irmãs dos matos e nem pela maioria dos habitantes locais.

O inverno também mostra o quanto Gramado é cidade caprichosa. A esse respeito, os tempos invernais chamam a tenção para a extraordinária e única harmonia existente entre as árvores dos passeios públicos e as flores que descansam a seus pés. As flores, mais ou menos temerosas dos arrepios do inverno, encontram abrigo sob os galhos dos arvoredos que sabem que não serão podados. E os galhos fazem agrado, despejando folhas coloridas sobre tão gentil companhia.  E nós não estamos sendo alegrados por nenhum grande evento, senão pelo invisível manto que já protegeu e inspirou nossos pais e avós, e que se prepara para envolver nossos filhos também.

Quanto às grosseiras agressões sofridas por algumas de nossas árvores de rua, efetuadas por raríssimos conterrâneos, oferecemos nosso perdão e a esperança de que possam, brevemente, viver conosco a agradável companhia da grande vegetação que nos deu celebridade.

Então, na onda do que de melhor é abrigado por nossos espíritos, vamos aproveitar esses pedaços de inverno para exercitar a comovente e eterna comunhão dos gramadenses com seus arvoredos.

 

E-mail do colunista: riegelre@via-rs.net

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.