Houve época em que Gramado era famosa pelo que lhe representava o trem, que chegava carregado de turistas e voltava carregado de produtos coloniais que eram vendidos em Porto Alegre. Numa fase seguinte, a fama vinha do fato de possuir a mais elevada concentração de criptomérias (pinheiros alemães) encontrada em qualquer cidade brasileira. Em outro tempo, ainda seguinte, o destaque vinha da população de hortênsias, tantas que nenhum outro lugar do Brasil sequer chegava perto. E o curioso foi que cada nova fase, lentamente, absorveu a anterior.

Adotando o procedimento excludente costumeiro, hoje não temos trem, nem criptomérias e nem hortênsias: vivemos o esplendor da modernidade bela, distinta e endinheirada. Tanto que está qualificada como “a maior pequena cidade do Brasil”. Essa proeminência, contudo, não tem valorizado muito os méritos urbanos consagrados em outras épocas, e um deles é o especial significado que a hortênsia tem quanto ao sucesso turístico de Gramado.

Podemos ver, atualmente, que avançam a proteção das áreas verdes, o cultivo organizado das flores de rua, a restrição à publicidade ao ar livre que nos deixou sem nenhum outdoor, a limpeza das vias públicas, o encanto do delicado shopping a céu aberto que nossas lojas fazem, o requinte dos empreendimentos que chegam de toda parte e a aparência dos prédios que temos. Pois, esse conjunto de princípios urbanísticos trouxe de volta o importante papel do ornamento mais genuíno da sensibilidade gramadense que existe: a hortênsia.

O conceito embutido na tarefa de fazer a hortênsia ressurgir é o de construir significativa moldura para uma cidade que foi pintada com muito talento, sacrifício e afeto. Encarregou-se dessa obra a secretária Rosaura Heurich que deu à hortênsia conceituação histórico-cultural superior ao seu significado ecológico ou ornamental.  O bonito desse princípio é a proteção de Gramado em relação ao avanço de empreendimentos contemporâneos, muitas vezes desprovidos de maior sensibilidade ou fidelidade aos valores que sempre cultivamos e que nos fizeram ser o que somos, ter o que temos.

Vários órgãos da prefeitura estão empenhados nessa tarefa, com significativa participação de membros da comunidade. E os que quiserem ajudar serão acolhidos com muita alegria.

  

E-mail do colunista: riegelre@via-rs.net

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.