Antigamente, os discretos calores dos verões gramadenses serviam para melhorar a tosse dos tuberculosos, que chegavam aqui para se curarem de sua doença. Hoje, essa mesma época traz gente para emocionar-se com a engenhosidade criativa de um povo que não para de se inventar, cada vez com mais confiança em seus talentos e melhor resultado em suas obras.  Porém, tanto ontem quanto hoje, paira a dúvida de saber de quem Gramado é mais dependente no verão: do florescer das hortênsias ou das comemorações natalinas.

Para todos, porém, fica claro que se faltasse um dos dois a cidade seria triste repetição de lugares onde não houve ligação amorosa entre os corações e a terra dos que nela vivem. Para nós, contudo, seria lástima inimaginável um verão sem flores de hortênsia nas beiras de estradas ou sem a presença do Papai Noel, com a barba igualzinha àquela que nosso avô tinha. E o sorriso que não se gasta com o tempo.

Nossa cidade, nessa época do ano, torna-se um imenso e gracioso cenário, onde o Natal entra com a vida e as hortênsias com beleza cênica. Desse modo, motivados por essa centenária parceria nós, silenciosa e contritamente, nos recolhemos ao que realmente somos, estimulados pelo sigilo que os sinos garantem.  Enquanto isso, os encantadores turistas expandem ao léu suas alegrias, bem do jeito de quem viveu sem deixar mais fundo suas raízes.

Durante as últimas décadas, porém, estimulados por pródigos elogios, muitas luzes e dinheiro nos bolsos, sofisticamos as comemorações natalinas e deixamos as hortênsias definhando nos barrancos. Talvez, tenhamos cometido o pecado de nos afastarmos delas porque estão disponíveis de graça e nem perfume exalam. Contudo, a soberania da moldura com que elas englobam e dignificam Gramado, mexeu com nossa consciência, esclarecendo o papel delas na definição do conceito que Gramado é.

E não é por complexo de culpa, senão percepção de uma realidade justa, que está em pleno e entusiasmado andamento o programa “O Renascimento da Hortênsia”, envolvendo os Poderes Executivo, Legislativo e diversas agremiações representando as forças vivas de Gramado. Então, as alamedas que se animem porque seu tempo de abandono está terminando.

 

E-mail do colunista: riegelre@via-rs.net

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.