Ao impacto emocional de minha mãe, minhas duas irmãs e minha esposa terem sido professoras e minha única filha ainda ser, torna-se, para mim, muito real o exame do ideal que mora no coração de uma professora. É que senti a vida toda, pois cresci junto com eles, os eflúvios desses ideais.

A surpreendente causa afetiva que leva uma mulher a continuar sendo professora, abriga um senso de dever que ultrapassa os mais eruditos tratados do comportamento humano. E essa lógica acompanha os fatos novos que constroem a história, com o mesmo vigor e a mesma inabalável pureza de sempre. 

Nos dias atuais, então, as múltiplas e contraditórias informações captadas pela Internet e demais instrumentos de mídia, precisam ser organizadas para serem compreensíveis e úteis. Nesse sentido, a criança desde cedo necessita ter adequada base moral para não se perder ao culto de valores que diminuirão sua felicidade e chances futuras de sucesso.  E o alcance desses fundamentos só os primeiros anos de escola podem fornecer.

Assim mesmo, o desvalor a essas docentes é erro aqui cometido de maneira institucional, e mostra-se dia a dia à frente do esvaziamento do Brasil como Estado e proliferação de uma realidade amoral e injusta.

Houve tempo, contudo, em que as professoras eram deixadas construir pessoas em lugar de eruditos. Eram elas quem melhor detinham a sensibilidade necessária para oferecer saber, sem colocá-lo acima da importância que as pessoas merecem. E os brasileiros viviam sem medo.

Pesa na consciência de teóricos – cujos lamentos pude escutar mais do que uma vez – que mudanças extemporâneas, que defenderam com tanto ardor, jogaram a formação delas em ilhas universitárias de reflexão técnica, onde não puderam fazer frente aos costumes de carreiras inseridas nas academias por séculos de desempenho satisfatório. Então, o constrangimento excluiu incontáveis vocações, diminuiu a qualidade e, naturalmente, baixaram os salários. Restou apenas o heroísmo e a frustração.

Comparando o pedestal ocupado pelas antigas professoras do nosso Grupo Escolar Santos Dumont e o que fazem com as de hoje, compreende-se parte do desacerto reinante no país e porque cada dia ele está mais manchado de sangue.

 

E-mail do colunista: riegelre@via-rs.net

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.