Agosto, sempre foi mês assustador aos magros, desanimados e velhos. Mirando os pulmões de todo mundo, plantava pneumonias muitas vezes oportunas, mas sempre indesejáveis. Gente e animais levantavam a guarda contra essa tão sólida quanto tradicional maldição.

O frio era o grande atributo a prestigiar o mês de agosto. É que ele propiciava mansidão à seiva de todas as plantas e enfiava gelo entre as fissuras da terra, paralisando os habitantes que nela moravam e os torrões que lhe davam solidez e forma. Então, os olhos do céu se alegravam ao contemplar a calmaria, o silêncio e o descanso das terras gramadenses.

A geada vestia de branco os telhados, os campos e os arvoredos enquanto a assinatura do frio ficava escrita, muitos dias e noites, nos barrancos menos ensolarados, mostrando que o inverno não tinha pressa em deixar nossa companhia. A geada era a parte essencialmente mais bonita e característica das friagens de agosto. Volta e meia até aparecia alguma neve, mas nunca muito bem recebida porque revitalizava os atoleiros e deixava escorregadios os caminhos que os visitantes gostavam de percorrer. Contudo, já nessa época, praticava-se o sacrossanto sofisma comercial de que as nevascas gramadenses eram maravilhas frequentes, no que os turistas até hoje acreditam.

Não é para ser saudosista, senão acólito do consagrado aquecimento global. A fumaceira espalhada pelo mundo desfigura nosso planeta, o que é coisa pouca comparada à humilhação que esmagou o encanto do mês de agosto. Nos tempos atuais nossas elegantes roupas de inverno servem mais para engordar traças do que para mostrar o quanto sabemos ser belos e refinados. E nossos costumeiros critérios de juízo ficam pouco à vontade ao contemplar turistas arrastando chinelos de dedo e tapados com um conjunto de panos de difícil conceituação, suando em bicas e chamando de mentiroso quem falar em geada ou neve.

Assim, os gramadenses lamentam a perda das frescuras do mês de agosto, muito menos pelo aumento da temperatura do que pelo pedaço de distinção que nossa cidade perdeu.

         

E-mail do colunista: riegelre@via-rs.net

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.