Gramado é município próspero tanto em termos absolutos quanto em comparação com qualquer outro do país, mantendo a proporção comparativa de seu tamanho. Mas, haverá para esse destaque algum motivo específico? A resposta é que correm muitas hipóteses, nenhuma delas podendo ser considerada definitiva.

Essa incerteza frustra muita gente que tenta implantar em suas cidades eventos semelhantes aos que deram ou estão dando certo por aqui; porém não lhes podemos ensinar o que não sabemos. Mas, certamente, a qualidade do nosso povo é uma possibilidade bastante razoável, como demonstrado pelo exemplo de um muito conhecido centro turístico de outro Estado, cujo prefeito procurou o nosso para obter apoio de Gramado para criar lá um também Natal Luz.

O prefeito daqui disse-lhe que providenciaria, de bom grado, todo o suporte que ele necessitasse mas alertava que isso de nada adiantaria, a menos que ele “pusesse uma dupla policial embaixo de cada poste de luz” da área ornamentada. O prefeito visitante confiou em seu povo, e fez a ornamentação que inaugurou festivamente. Porém, como tinha mais postes do que policiais para guarnece-los, os enfeites duraram apenas uma noite. O prefeito visitante ficou triste, ainda mais quando soube que em Gramado os adornos duram meses e protegidos apenas por alguns poucos e sonolentos guardas amadores. E não há moral nessa história, apenas a descrição de um fato.

Mas se essas discussões não omitem os méritos do povo, também não omitem os méritos da terra: moramos num lugar bonito e disso estamos perfeitamente convencidos. A maioria sente que os fervorosos cuidados que temos por esse lugar é um afeto contagioso, que não sabemos quando surgiu, mas que se transmite de sangue a sangue através das sucessivas gerações. Às vezes, até pensamos que é esse fervor afetivo que faz os turistas nos visitarem, para viver conosco um pouco desse amor de todo incomum.

O forte vínculo cidade e gente que nos identifica consolidou o conceito de que a terra convida e consente e nós temos que ser dignos dessa concessão. Por isso, e a seu louvor, nunca descansamos a imaginação, a iniciativa e o trabalho. E esperamos que ela se orgulhe de nós, tanto quanto nós nos orgulhamos dela.

 

E-mail do colunista: riegelre@via-rs.net

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.