Quando se pensa em turismo como um nicho que agrega destinos, economia, bem estar, vivências e experiências, uma das maiores necessidades e uma área que ainda precisa de maiores investimentos e atenção de todos é o setor da Sustentabilidade e Turismo Verde. Cada vez mais temos, e cito Gramado e Canela como exemplo, a construção de empreendimentos, prédios e atrativos que, aos poucos, vão mudando a paisagem e transformando a área central. 

O progresso e o desenvolvimento são essenciais, porém é fundamental que ocorram sob bases sustentáveis, a fim de não perdermos a característica de nossos municípios, de maneira a darmos maior prioridade também às questões socioambientais. 

Em Gramado mesmo com o plano diretor tendo sido colocado em prática, as áreas verdes vem diminuindo. Em Canela esta constatação também é visível na área central. A preocupação é crucial e demanda novos arranjos de planejamento para um crescimento adequado e ordenado. 

O FESTURIS, por exemplo, tem como bandeira trabalhar e trazer à luz do debate o assunto em voga, realizando, há mais de 10 anos, o Espaço Sustentabilidade e Turismo Verde, uma das áreas segmentadas da feira de negócios. Ali, as novidades, soluções e tecnologias são apresentadas através dos parceiros do evento que vem a Gramado para apresentar suas idéias e práticas ao trade. 

Neste contexto, a ação Árvore da Integração, realizada durante o último evento, e que são necessárias cada vez mais em nossa região, foi um destaque positivo. Na ocasião, autoridades e convidados plantaram um pinheiro como forma de incentivar ações sustentáveis por parte do setor. 

A ideia foi trazida pelo Fórum Ibero-Americano de Turismo. Também foi entregue o Prêmio Sustentabilidade ao projeto Gramado de Bicicleta, criado pela jornalista Tela Tomazelli. que incentiva a convivência harmoniosa entre motoristas e ciclistas.

Diante disso, pensar em mobilidade urbana, preservação ambiental, saneamento (um problema crônico que temos), são itens urgentes. Algumas ações podem ser implementadas dando start para programas mais duradouros como o transporte público de qualidade, que supra as necessidades dos passageiros e ciclovias que incentivariam os moradores a usarem menos seus veículos, apenas dois de uma infinidade de exemplos, além de iniciativas que visem a acessibilidade. Enfim, cabe a nós buscarmos algumas alternativas, criarmos novas condições para termos um futuro mais sustentável e menos problemático. 

 

E-mail do colunista: eduardo@rossiezorzanello.com.br

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.