Fim do Ano Litúrgico

Para coroar o ano litúrgico, celebramos a festa de Cristo-Rei. Jesus é apresentado como nosso rei e também do universo todo. Mas, o que significa chamar Jesus de “rei”?

Para Lucas, o Reino de Cristo inicia realmente na hora da cruz, e dele participa aquele que encarna o modelo do comum dos fiéis: o pecador convertido. Isso significa, entre outras coisas, que o Reino de Jesus para Lucas, é essencialmente o Reino da reconciliação do homem com Deus. A verdadeira paz messiânica, segundo Lucas, não é tanto o lobo e o cordeiro pastarem juntos (Is. 11,6-9), mas o homem ser reconciliado com Deus e participar da vida divina, no “paraíso”, restauração da inocência original. Deste Reino o homem participa pela fé, que se expressa na oração; a prece do bom ladrão não é apenas um pedido, mas confessa Jesus Cristo como Rei (no teu Reino, Lc.23, 42). Outras personagens receberam o paraíso por causa dessa fé.

Portanto, podemos dizer que para Lucas, o Reino de Cristo é essencialmente seu poder de reconciliar com Deus os que acreditam nele. Essa reconciliação tem como centro a cruz, ato supremo de amor e serviço de Jesus para seus irmãos. No homem de Nazaré, morto por amor, Deus encontra reconciliação com a humanidade, pelo menos, se pela fé e a conversão ela se solidariza com o Filho amado.

Para concluir nossa meditação neste domingo de Cristo Rei do Universo é bom destacar que o Reino de Cristo trata-se de reconciliar Deus com o homem e a mulher, neste tempo em que tão facilmente o Reino de Cristo é confundido com uma grandeza mundana, tanto na ideologia integralista quanto na revolucionária e libertadora. O Reino de Cristo, na visão da liturgia de hoje, é o acontecer da vontade do Pai na reconciliação operada pelo sacrifício de sua vida, não de modo mecânico ou mágico, mas pela participação da fé. Em outros termos: a fé reconhece morte de Cristo como um divino geste de amor por nós e produz conversão e adesão a este mesmo amor, superando o ódio e a divisão. Assim, o Reino no qual Cristo é investido por sua obediência até a morte, implanta-se também no mundo, mediante a fé dos que nele acreditam e seguem seu caminho.

 

Façamos nossa oração:

Deus Onipotente e misericordioso. Vós quebrais o poder do mal e renovais tudo em vosso Filho Jesus Cristo Rei do Universo. Abri nossos corações e libertai-nos para que gozemos de Vossa paz, glorifiquemos Vossa justiça e vivamos em Vosso amor. Que toda a humanidade se unifique em Jesus Cristo, Vosso Filho, que reina convosco, Deus eterno, e com o Espírito Santo. Amém

 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.