(Mt 16,13-20)

Solenidade de São Pedro e São Paulo

E vós, quem dizeis que Eu sou? Essa pergunta de Jesus não é dirigida só a seus primeiros seguidores. É a questão fundamental à qual devemos responder sempre que nos confessamos cristãos.

A pergunta de Jesus não nos pede simplesmente nossa opinião, mas nos interpela principalmente sobre a nossa atitude dele. E, essa atitude não transparece só em palavras, mas, sobretudo, em nosso seguimento concreto de Jesus.

As palavras de Jesus pedem uma opção radical. Ou Jesus é um personagem a mais, ao lado de muitos outros da história, ou Ele é por nós a Pessoa decisiva que nos traz a compreensão última da existência, a orientação decisiva para a nossa vida e nos oferece a esperança definitiva.

A pergunta: “E vós, quem dizeis que Eu sou”? Adquire então um conteúdo novo. Não é mais apenas uma questão sobre Jesus, mas sobre nós mesmos. Quem sou eu? Em quem eu creio? A partir de quem me oriento a minha vida? A que se reduz a minha fé? A fé não se identifica com as fórmulas que pronunciamos.

Jesus sempre desconcerta quem se aproxima dele com postura aberta e sincera. Sempre é diferente do que esperávamos. Sempre abre novas brechas em nossa vida, rompe nossos esquemas e nos atrai para uma vida nova. Quanto mais o conhecemos, mais sabemos que ainda estamos começando a descobri-lo.

Jesus é perigoso. Percebemos nele uma entrega aos seres humanos que desmascara nosso egoísmo. Uma paixão pela justiça sacode nossas seguranças, privilégios e egoísmos. Uma ternura que deixa a descoberta nossa mesquinhez. Uma liberdade que rompe nossas mil escravidões e sujeições.

E, sobretudo, intuímos nele um mistério de abertura e de proximidade a Deus que nos atrai e convida a também abrir nossa existência ao Pai. Vamos conhecendo a Jesus, na medida em que nos entregamos a Ele. Só do fundo do coração: “Creio, Senhor, mas ajuda à minha incredulidade”.

Confessamos a Cristo por costume, por piedade ou por disciplina, mas vivemos na maioria das vezes sem captar a originalidade de sua vida, sem escutar a novidade de seu apelo, sem deixar-nos atrair por seu amor apaixonado, sem contagiarmos pela sua liberdade e esforçar-nos em seguir a sua trajetória.

Nós o adoramos como “Deus”, mas Ele não é o centro de nossas vidas. Nós confessamos como “Senhor”, mas vivemos de costas para seu projeto, sem saber muito bem qual era esse projeto e o pretendia. Nós o chamamos de “Mestre”, mas não vivemos motivados pelo que motivava a vida dele. Vivemos como membros de uma religião, mas não somos discípulos de Jesus.

No nosso tempo se torna cada vez mais crer em algo. As ideologias mais sólidas, os sistemas mais poderosos e as teorias mais brilhantes foram aos poucos cambaleando ao mostrar suas limitações e profundas deficiências.

O ser humano hoje, desiludido com tantos dogmas e ideologias, talvez ainda estejam dispostos a crer em pessoas que o ajudem a viver dando um novo sentido à sua vida.

O teólogo Karl Lehmann afirma: “O homem moderno só será crente quando tiver feito uma autêntica experiência de adesão à Pessoa de Jesus Cristo”. Só quando vivemos “seduzidos” por Ele e trabalhados pela força regeneradora de sua pessoa poderemos transmitir também hoje seu espírito e sua visão de vida.

 

Façamos nossa oração

Senhor Jesus, cria em nosso coração o mesmo amor por Ti e por tua Igreja, que puseste no coração de Pedro e de Paulo. Amém

 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.