(Jo 20, 1-9)

Páscoa da Ressurreição

A fé em Jesus ressuscitado pelo Pai, não brotou de maneira natural e espontânea no coração dos discípulos. Antes de se encontrar com Ele, cheio de vida, os evangelistas falam de seu desconcerto, sua busca em torno do sepulcro, suas interrogações e incertezas. O sepulcro vazio deixa as mulheres desconcertadas, pois não encontram mais ali, mas escutam a mensagem que lhes indica onde deverão orientar a sua busca. “Por que buscais entre os mortos aquele que vive”? Não está aqui. Ressuscitou!

A fé em Cristo ressuscitado também não nasce hoje em nós de forma espontânea, só porque ouvimos desde crianças catequistas e pregadores, mas necessitamos nos abrir à fé e fazermos nosso próprio percurso.

Temos que busca-lo não entre cristãos divididos e enfrentados em lutas estéreis, vazias de amor a Jesus e de paixão pelo evangelho, mas aonde vamos construindo comunidades que colocam o Cristo em seu centro, porque sabem que “...onde estão reunidos dois ou três em seu nome, ali está Ele”.

Jamais vamos encontra-lo numa religião morta, reduzida ao cumprimento e à observância externa de leis e normas, mas onde se vive segundo o Espírito de Jesus, acolhido com fé, com amor e com a responsabilidade dos seus seguidores.

O encontro com Jesus, cheio de vida, depois da sua execução, transformou-se totalmente. Eles começaram a vê-lo de maneira nova. Deus era o ressuscitador de Jesus. De pronto tiraram suas consequências e daí aparece o novo rosto de Deus, ou seja:

 

  1. Deus é amigo da vida. Os humanos poderão destruir a vida de mil maneiras, mas se Deus ressuscitou Jesus, significa que Ele quer só vida para seus filhos. Não estamos sós nem perdidos diante da morte. Só há uma maneira cristã de viver: trazer vida onde outros trazem morte.
  2. Deus é dos pobres: “Felizes os pobres, porque têm a Deus”. A última palavra não é Tibério nem de Pilatos, a última decisão não é de Caifás nem de Anás. Deus é o último defensor dos que não interessam e ninguém. Só existe uma maneira de parecer-se com Ele: defender os pequenos e indefesos.
  3. Deus ressuscita os crucificados. Se Ele o  ressuscitou, é porque quer introduzir justiça diante de tanto abuso e crueldade que se comete no mundo.
  4. Deus secará nossas lágrimas. Deus ressuscitou Jesus. O rejeitado por todos foi acolhido por Deus. O desprezado foi glorificado. O morto está mais vivo do que nunca. Agora sabemos como é Deus. Um dia Ele “...enxugará todas as nossas lágrimas, e não haverá mais morte, não haverá gritos nem fadigas. Tudo isto será passado.

 

Os pequenos abusos que possamos padecer as injustiças, rejeições ou incompreensões que possamos sofrer são feridas que um dia cicatrizarão para sempre. Temos de aprender a olhar com mais fé as cicatrizes do Ressuscitado. Assim será um dia nossas feridas de hoje: cicatrizes curadas por Deus para sempre.

Desejo a todos os leitores desta coluna:

FELIZ PÁSCOA COM JESUS RESSUSCITADO!

 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.