(Jo 20, 1-9)

A fé em Cristo ressuscitado também não nasce hoje em nós de forma espontânea. É preciso busca-lo, e, para abrir-nos à fé na Ressurreição de Jesus temos que fazer nosso próprio percurso. Aquele que vive deve ser buscado onde há vida. “Se quisermos encontrar-nos com o Cristo Ressuscitado, cheio de vida e de força criadora, devemos busca-lo não numa religião morta, reduzida ao cumprimento e à observância externa de leis e normas, mas onde se vive segundo o Espírito de Jesus, acolhido com fé, com amor e com responsabilidade por seus seguidores”. (PAGOLA, José Antônio – O Caminho aberto por Jesus – Vozes – 2013).

A busca do Ressuscitado não se vai encontrar entre cristãos divididos, enfrentando lutas estéreis, vazias de amor a Jesus e de paixão pelo Evangelho, mas onde construirmos comunidades que colocam Cristo no centro por saber que, “...onde estão reunidos dois ou três em seu nome, ali está Ele”. Portanto, estás vivo para sempre e te tornas presente no meio de nós, quando nos reunimos em comunidade. Sabemos que não estamos sozinhos, mas que Tu nos acompanhas enquanto caminhamos para o Pai. Ouvimos tua voz, quando ouvimos o Evangelho. Alimentamo-nos de Ti quando celebramos tua ceia. E, assim, estarás conosco até o fim dos tempos. Depois da execução de Jesus, jamais os discípulos foram os mesmos, assim como nós ao descobrimos que Tu estás vivo e vive entre nós.

Fomos transformados assim como os discípulos em homens novos. Crer no ressuscitado é resistir a aceitar que nossa vida é somente um pequeno parêntese entre dois vazios. Mas nos apoiando em Jesus Ressuscitado por Deus, intuímos, e desejamos e cremos que Deus está conduzindo para sua verdadeira plenitude o anseio de vida, de justiça e de paz que se encerra no coração da humanidade e em toda a Criação. Crer no ressuscitado é crer que um dia vamos ouvir estas incríveis palavras que o livro do Apocalipse põe nos lábios de Deus: “Eu sou o princípio e o fim de tudo”. FELIZ PÁSCOA!

 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.