Solenidade de “Corpus Christi” 

Eespiritualidade cristã, mormente dos católicos, tem a Eucaristia como fonte precípua de todo agir cristão. “O primeiro conteúdo da fé eucarística é o próprio mistério de Deus, amor Trinitário”. (Exortação Apostólica pós-sinodal – Sacramentum Caritatis – Sobre a Eucaristia, fonte e ápice da vida e da missão da Igreja – Bento XVI).

Na caminhada de cada cristão a Palavra de Deus no induz a celebrar o banquete do Cordeiro, ou seja, a eucaristia. “Na Eucaristia, revela-se o desígnio de amor que guia toda a história da salvação”(Ef 1,9-10; 3,8-11) e Nela, o “Deus-Trindade, que em si mesmo é amor”. (1Jo 4,7-8), envolve-se plenamente com a nossa condição humana. Por isso toda a Igreja é chamada a celebrar o banquete eucarístico dia após dia em memória Dele. Deus entra na história humana e se torna sacramentalmente presente em todas as culturas.

O Espírito Santo nos impulsiona constantemente para a celebração desse grande mistério presente na Sagrada Eucaristia. “A Eucaristia arrasta-nos para esse ato oblativo de Jesus e para dentro de Jesus”. Infere-se daí uma mística que inicia com o anúncio da Palavra de Deus, com a meditação da mesma, tornada orante para dar um salto qualitativo para a contemplação, ou seja, de fazer a experiência de Deus.

Nessas condições é que Deus permite que entremos dentro desse grande mistério para vivenciar, contemplar, saborear e degustar o teor sagrado da eucaristia inserida no tempo e no espaço. Embora seja bom frisar que a plenitude dessa contemplação se dará definitivamente quando estivermos com Pai no “banquete do Cordeiro eterno”. “A beleza intrínseca da liturgia tem, como sujeito o próprio Cristo ressuscitado e glorificado no Espírito Santo, que inclui a Igreja na sua ação”. (SC, 36). Por isso a celebração nas Igrejas com a procissão do “Corpo do Senhor”, possui um significado profundo para nossa espiritualidade. É bom pensar na grandeza desse sacramento!
 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.