“Se alguém não nasce da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus” (Jo 3,1-8)

Toda a espiritualidade provinda desse pequeno texto bíblico traz um sentido muito próprio para as nossas vidas. Quantas pessoas, aliás, bem intencionadas, entendem que para participar do Reino de Deus, basta estar vinculado a uma Igreja e a normas e regras simetricamente observadas. No entanto quando lemos o evangelho de João onde Jesus se encontra com Nicodemos, mestre e praticante assíduo da Lei, ele questiona Jesus o que significava renascer pela água e pelo Espírito. E Jesus foi enfático na resposta.

É viver na prática do dia-a-dia os ensinamentos do evangelho e não estar preocupado com a observância de normas e regras frias que não conduz a uma  transformação da própria vida. É visível nessa resposta de Jesus o caráter misterioso, sobrenatural, do nascimento que provém do Espírito, condição para compreender Jesus e entrar no Reino de Deus. Ele é confirmado pelo exemplo da origem misteriosa do vento.

A carne e o que é da carne indicam o plano natural e a impotência do homem para se doar a si mesmo à salvação. Muitos interpretam esse texto como se Jesus estivesse falando da reencarnação. Não tem nada a ver com isso, renascer significa mudar de vida segundo o Espírito de Jesus e de modo especial, ao se tratar da interioridade de cada pessoa. Não adiante preocupar-se com questões externas, pois essa diz respeito a elementos ligados ao tempo e espaço.

O renascer ele vai muito além do aqui e do agora. Todo o texto é um debate entre espírito e matéria. No entanto, é o Espírito de Deus que se deve levar em conta a nossa espiritualidade para que assim estejamos em sintonia com o Pai. Em (Cl 3,1) afirma: “Se com Cristo ressurgistes, procurai o que é do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus Pai”. Portanto, fazendo a experiência do ressuscitado em nossas vidas é que teremos alguma luz para compreender parte desse grande mistério. Pense!

 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.