Viver a fé no Jesus Ressuscitado a partir do agir na vida concreta 

A tentativa de compreender o Mistério da Paixão, morte e Ressurreição não se trata de um processo intelectivo, e sim, de vivência ao fazer a experiência concreta nos afazeres diários da vida. “A espiritualidade cristã se expressa num comportamento que corresponde ao Espírito de Jesus.

Ele não introduziu as pessoas só na experiência religiosa. Ele também as convocou para fazer a vontade de Deus e cumprir a nova justiça que Ele anunciou”. (GRÜN, Anselm – As fontes da espiritualidade – Vozes – 2008). E segue: “No novo comportamento dever-se-ia reconhecer se alguém era cristão ou não [...] o agir do cristão tem sua base nos quatro evangelhos”. Por outro lado, é preciso frisar que: “...para Jesus não importam as leis que precisamos observar rigorosamente, mas um novo caminho de comportamento, e este emana de uma nova experiência, da experiência de que somos filhos e filhas amados incondicionalmente por Deus”. (ibidem).

Desse pressuposto inferimos que uma oração que não leva a um novo modo de agir pessoal e comunitariamente, ela sempre permanecerá estéril e vazia. O mistério da paixão, morte e ressurreição de Cristo que se situa entre tempo/eternidade, nos induz a não buscar racionalmente o entendimento de tal mistério, e sim, ter a humildade de dizer: “Eu creio”. Crer é abrir-se para o mistério que vela e revela a grandiosidade de Deus. Tudo o que está dentro do tempo e do espaço sempre caminha na provisoriedade.

Portanto, não é a ciência enquanto ciência que tem a última palavra sobre a realidade e muito menos sobre o ser humano, e sim, Aquele que é o Senhor da vida e da história. A presença de Jesus Ressuscitado que reina vivo entre nós é que nos abre para uma dimensão transformadora nos meandros da história, mormente no ser humano. A ternura e a bondade de Deus Pai infinitamente misericordioso nos faz sentir a beleza de ser um discípulo do Ressuscitado. É bom pensar! 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.