Imagens de purificação na Bíblia: O Sangue 

Na reflexão dessa semana damos continuidade aos ritos de purificação proposto pela bíblia. Vimos o rito do fogo, da água e hoje vamos nos deter no rito do sangue. Para nós, hoje, soa um pouco estranho o rito de sangue, embora se faça necessário uma releitura do que significa para a espiritualidade moderna a purificação com sangue.

No AT, o sacerdote aspergia com sangue todos os utensílios que eram usados no culto, o templo e todo o povo dentro da antiga aliança. De acordo com Anselm Grün, ao citar a Carta aos Hebreus indica: “Segundo a Lei, quase tudo é purificado com sangue, e sem efusão de sangue não há remissão”. (Hb 9,22). Ora, no NT esse rito do sangue se volta para o Messias-padecente, ou seja, Jesus derramou seu sangue por nós na cruz como a verdadeira purificação dos pecados. Grün frisa que essa tradição continuou a usar essa figura: somos lavados pelo sangue de Jesus Cristo. Devemos evitar a ideia fundamentalista que possa vir de certas pessoas.

Pergunta-se. Como entender isso hoje? “A imagem do sangue de Jesus é vista de maneira espiritual [...] Jesus ao derramar sangue por nós é expressão do seu amor [...] todo grande amor oferece ao amado o sangue do seu próprio coração e o amor sempre alcança a plenitude da morte”. GRÜN, 2005). No Apocalipse de São João nos diz que: “os cristãos lavaram suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro”. (Ap 7,14). Grün acentua que: “...trata-se de um símbolo de purificação através do amor de Jesus, que na sua morte na cruz se tornou visível até a plenitude”.

O autor frisa que não é o sangue enquanto sangue que nos purifica, mas o sangue enquanto expressão do mais profundo amor. Na verdade olhando a partir do NT, fica claro que a morte de Jesus substituiu os sacrifícios do AT. Nossa espiritualidade cristã passa pelo arrependimento de nossas falhas, pois, ao contrário se bloqueia a “Misericórdia do Pai”. Deus sempre nos perdoa infinitamente. É bom pensar! 

E-mail do colunista: pe.arisilva@hotmail.com

O conteúdo da coluna assinada assim como as imagens é de responsabilidade do colunista.