Entidades buscam conscientizar estabelecimentos a não utilizarem objeto que polui meio ambiente

Apenas alguns minutos de uso, mas centenas de anos para a decomposição. Essa é a realidade dos canudos plásticos, que vem sendo abolidos de muitos estabelecimentos gastronômicos no Brasil. Esse é um movimento que está acontecendo em todo o mundo com o objetivo de combater o lixo plástico, um dos principais vilões da poluição marinha. Segundo a ONU, ao menos 50 países têm propostas com essa intenção.

 

Toro substituiu canudos de plástico pelos de papel. Crédito: Divulgação

MUDANÇA OBRIGATÓRIA POR LEI

No Brasil o primeiro Estado a sancionar uma lei que proíbe o uso de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais foi o Rio de Janeiro. Por aqui, a Abrasel Hortênsias e o MARH – Movimento Ambientalista da Região das Hoertênsias criaram a campanha “Não ao canudo plástico”, propondo que o objeto deixe de ser utilizado. Uma lei sobre o assunto também já foi aprovada em Gramado. A Câmara Municipal de Vereadores aprovou, por unanimidade, no dia 5 de novembro, o projeto de autoria do vereador Rafael Ronsoni, que estipula que, restaurantes, lanchonetes, bares e estabelecimentos similares que manipulam alimentos e bebidas em geral, ficam obrigados a fornecer canudos biodegradáveis. O projeto proíbe a utilização de canudos de plástico. A proposta baseou-se em uma solicitação de um grupo de professores de Ciências das escolas municipais e busca promover a preservação ambiental. A multa para o descumprimento desta Lei é de R$ 200 por infração. Nos casos de reincidência, o valor será aplicado em dobro. A partir da 3ª notificação, o município poderá proceder na cassação do alvará de licença do estabelecimento do infrator. Em Canela, projeto semelhante, de autoria do vereador Jerônimo Terra Rolim, está em tramitação.

 

NÃO AO CANUDO

A lei entrará em vigor em Gramado a partir de 180 dias após a data de sua publicação (5 de novembro), mas apesar de ainda não haver uma obrigatoriedade legal, a Abrasel Hortênsias e o MARH criaram a campanha “Não ao canudo plástico”. “A não utilização dos canudos plásticos tem como objetivo evitar danos causados ao meio ambiente pelo descarte inapropriado do lixo que compromete a vida marinha, pois grande parte do plástico vai parar nos oceanos. Sensíveis a essa realidade, estamos propondo que os restaurantes, bares e demais estabelecimentos comerciais deixem de utilizá-los. E em casos de necessidade, que utilizem opções que sejam retornáveis ou biodegradáveis”, destaca a presidente da Abrasel Hortênsias, Angelita Ecker.

 

REGIÃO ADERE

Muitos restaurantes associados à Abrasel Hortênsias já tomaram a dianteira dessa iniciativa e estão oferecendo alternativas sustentáveis aos seus clientes. O Containner Bistrot, em Canela, foi o pioneiro, e desde o início do ano os canudos de plástico não são mais oferecidos aos clientes. A ideia é alertar sobre o impacto do uso e convidá-los a adotar uma postura ativa para mudar essa realidade, eliminando este item. Em Gramado, o restaurante Toro também optou pelos canudos de papel. Outro exemplo é o restaurante Galangal, em Canela, que está usando canudos de metal. “Não podemos mais assistir a degradação do meio ambiente sem fazer nada. Precisamos tomar atitudes que realmente façam a diferença”, destaca Magda Correa, que é bióloga e proprietária do Galangal.

 

Saiba mais:

O plástico leva mais de quatrocentos anos para ser decomposto na natureza. Mesmo sendo expulso corretamente em aterros de lixo, não há maneira de impedir a ação dos ventos que podem levá-los para qualquer local, inclusive para os oceanos. Uma vez no mar, estes objetos são confundidos como alimento pelos animais marinhos, causando milhares de mortes.